Criar um fluxo de dados

Um fluxo de dados é uma coleção de tabelas criadas e gerenciadas em workspaces no serviço do Power BI. Uma tabela é um conjunto de colunas que são usadas para armazenar dados, de maneira semelhante a uma tabela em um banco de dados. É possível adicionar e editar tabelas no fluxo de dados, bem como gerenciar agendamentos de atualização de dados, diretamente no workspace em que o fluxo de dados foi criado.

Para criar um fluxo de dados, inicie o serviço do Power BI em um navegador e selecione um workspace (fluxos de dados não estão disponíveis em meu workspace no serviço do Power BI) no painel de navegação à esquerda, como mostrado na tela a seguir. Você também pode criar um novo workspace no qual criará seu novo fluxo de dados. iniciar um fluxo de dados

Há várias maneiras de criar ou compilar com base em um novo fluxo de dados:

As seções a seguir exploram cada uma dessas maneiras de criar um fluxo de dados em detalhes.

Observação

Os fluxos de dados podem ser criados por um usuário em um workspace do Premium, por usuários com uma licença Pro e por usuários com uma licença PPU (Premium por usuário).

Criar um fluxo de dados usando a opção Definir novas tabelas

Com o uso da opção Definir novas tabelas, você pode definir uma nova tabela e se conectar a uma nova fonte de dados. escolher um conector

Quando você seleciona uma fonte de dados, precisa fornecer as configurações de conexão, incluindo a conta a ser usada para se conectar à fonte de dados, conforme mostrado na imagem a seguir. conector de SQL do Azure

Depois de conectado, você poderá selecionar quais dados deseja usar para a tabela. Quando você escolhe os dados e uma fonte, o Power BI se reconecta à fonte de dados para manter os dados do seu fluxo de atualizados, com a frequência que você selecionar mais tarde no processo de configuração. selecionar tabela

Depois de selecionar os dados a serem usados na tabela, você poderá usar o editor de fluxo de dados para ajustar ou transformar os dados no formato necessário para uso no fluxo de dados.

Criar um fluxo de dados usando tabelas vinculadas

A criação de um fluxo de dados com tabelas vinculadas permite que você referencie uma tabela existente, definida em outro fluxo de dados, em um modo somente leitura. A seguinte lista descreve alguns dos motivos pelos quais você pode escolher essa abordagem:

  • Caso você deseje reutilizar uma tabela em vários fluxos de dados, como uma tabela de data ou de pesquisa estática, crie uma tabela uma vez e referencie-a nos outros fluxos de dados.

  • Se você quiser evitar a criação de várias atualizações em uma fonte de dados, será melhor usar tabelas vinculadas para armazenar os dados e servir como um cache. Isso permite que todos os consumidores seguintes aproveitem essa tabela, reduzindo a carga na fonte de dados subjacente.

  • Caso precise executar uma mesclagem entre duas tabelas.

Observação

As tabelas vinculadas só estão disponíveis no Power BI Premium.

Criar um fluxo de dados usando uma tabela computada

A criação de um fluxo de dados usando uma tabela computada permite que você referencie uma tabela vinculada e execute operações nela em um modo somente gravação. O resultado será uma nova tabela, que faz parte do fluxo de dados. Para converter uma tabela vinculada em uma tabela computada, crie uma consulta com base em uma operação de mesclagem ou, se desejar editar ou transformar a tabela, crie uma referência ou uma duplicata dela.

Como criar tabelas computadas

Quando tiver um fluxo de dados com uma lista de tabelas, você poderá executar cálculos nessas tabelas. Na ferramenta de criação de fluxo de dados do serviço do Power BI, selecione Editar tabelas e clique com o botão direito do mouse na tabela que deseja usar como base para a tabela computada e na qual deseja fazer cálculos. No menu de contexto, escolha Referência. Para que a tabela seja qualificada como uma tabela computada, é necessário fazer a seleção de Habilitar carregamento, conforme mostrado na imagem a seguir. Clique com o botão direito do mouse na tabela para ver este menu de contexto.

criar tabela computada etapa 1

Ao selecionar Habilitar carregamento, você cria uma tabela para a qual a respectiva fonte é a tabela referenciada. O ícone é alterado e mostra o ícone Computado, conforme mostrado na imagem a seguir.

criar tabela computada etapa 2

Qualquer transformação feita nessa tabela recém-criada é executada nos dados que já residem no armazenamento de fluxo de dados do Power BI. Isso significa que a consulta não será executada na fonte de dados externa da qual os dados foram importados (por exemplo, o banco de dados SQL do qual os dados foram obtidos), mas sim nos dados que residem no armazenamento do fluxo de dados.

Exemplos de casos de uso Que tipos de transformações podem ser feitos com tabelas computadas? Qualquer transformação que você especifica normalmente usando a interface do usuário de transformação no Power BI ou no editor M tem suporte ao executar a computação no armazenamento.

Considere o seguinte exemplo: você tem uma tabela Account que contém os dados brutos de todos os clientes da sua assinatura do Dynamics 365. Você também tem dados brutos de ServiceCalls do Centro de Serviços, com dados das chamadas de suporte que foram executadas na conta diferente em cada dia do ano.

Imagine que você queira enriquecer a tabela Account com os dados de ServiceCalls. Primeiro, você precisaria agregar os dados das ServiceCalls para calcular o número de chamadas de suporte que foram feitas para cada conta no último ano.

criar tabela computada etapa 3

Depois, você desejará mesclar a tabela Account com a tabela ServiceCallsAggregated para calcular a tabela Account enriquecida.

criar tabela computada etapa 4

E, em seguida, você pode ver os resultados, mostrados como EnrichedAccount na imagem a seguir.

criar tabela computada etapa 5

E é isso — a transformação é executada nos dados no fluxo de dados que residem na assinatura do Power BI Premium, não nos dados de fonte.

Observação

As tabelas computadas são um recurso somente Premium

Criar um fluxo de dados usando uma pasta do CDM

A criação de um fluxo de dados por meio de uma pasta CDM permite que você referencie uma tabela que foi gravada por outro aplicativo no formato CDM (Common Data Model). Você será solicitado a fornecer o caminho completo para o arquivo de formato CDM armazenado no ADLS Gen 2.

criar tabela computada etapa 6

Há alguns requisitos para criar fluxos de dados a partir de pastas do CDM, conforme a lista a seguir descreve:

  • A conta do ADLS Gen 2 deve ter as permissões apropriadas configuradas para que o PBI acesse o arquivo

  • A conta do ADLS Gen 2 deve ser acessível pelo usuário que está tentando criar o fluxo de dados

  • A criação de fluxos de dados de pastas do CDM está disponível somente na nova experiência de workspace

  • A URL deve ter um caminho de arquivo direto para o arquivo JSON e usar o ponto de extremidade do ADLS Gen 2; o blob.core não é compatível

Criar um fluxo de dados usando importação/exportação

A criação de um fluxo de arquivos usando importação/exportação permite que você importe um fluxo de dados de um arquivo. Isso é útil se você quer salvar uma cópia offline do fluxo de dados ou mover um fluxo de dados de um workspace para outro.

Para exportar um fluxo de dados, selecione o fluxo de dados que você criou e selecione o item de menu Mais (reticências) para expandir as opções e, em seguida, selecione Export.json. Você será solicitado a iniciar o download do fluxo de dados representado no formato CDM.

criar tabela computada etapa 7

Para importar um fluxo de dados, selecione a caixa importar e carregue o arquivo. O Power BI cria o fluxo de dados para você e permite salvar o fluxo de dados como está ou executar transformações adicionais.

Próximas etapas

Depois de criar um fluxo de dados, você pode usar o Power BI Desktop e o serviço do Power BI para criar conjuntos de dados, relatórios, painéis e aplicativos baseados nos dados que você inseriu em fluxos de dados do Power BI e, assim, obter insights sobre suas atividades comerciais. Os seguintes artigos oferecem mais detalhes sobre cenários de uso comuns para fluxos de dados: